Faturamento eletrônico

CFDI modelo eletrônico de referência no México na América Latina

 fatura eletronica en México

A fatura eletrônica no México deu seus primeiros passos em 2004, quando o SAT (Serviço de Administração Tributária) criou um marco legal que definiu a implementação do CFD (Comprovante Fiscal Digital), tornando-se seu primeiro sistema de faturamento eletrônico. Embora o seu uso não tenha sido obrigatório, o número crescente de empresas que passaram a utilizá-lo fizeram que, em 2010, o SAT tenha estabelecido um novo modelo de faturamento: o CFDI (Comprovante Fiscal Digital por Internet).

Em pouco tempo, o uso do CFDI tornou-se obrigatório na contabilidade eletrônica do México, usado em 100% das transações econômicas.

Esse sucesso levou os governos da América Latina a trabalhar na implementação da fatura eletrônica onde o sistema estabelecido no México tornou-se referência.

Tabela de conteúdo [Esconder]

Características do CFDI

A partir de 2011, o uso obrigatório do CFDI foi progressivamente estendido às empresas mexicanas permitindo ao SAT um maior controle fiscal, tornando-se o único modelo de faturamento válido no país.

A rapidez de sua expansão é observada nos dados coletados pelo SAT que indicam que o volume de faturas digitais emitidas em 2011 foi de 1.782 milhões, uma cifra em crescente evolução até chegar a 6.517 milhões em 2017.

O fato do CFDI tornar-se um modelo de sucesso foi embasado através de quatro características:

  • Padronização: as faturas devem ser emitidas em formato XML específico, adaptado aos requisitos estabelecidos pelo SAT.
  • Flexibilidade: no entanto, cabe as empresas incluírem as addendas, cujo conteúdo não é regulado pelo SAT. O XML é um formato que permite a adaptação das particularidades comerciais de cada empresa.
  • Assinatura eletrônica: o CFDI exige a assinatura digital gerada pelo Certificado de Sello Digital emitido pelo SAT, que garante a integridade e autenticidade do documento.
  • PAC: a obrigação em contratar um Provedor de Certificação Autorizado é, sem dúvida, a maior diferença estabelecida na nota fiscal digital do México em relação a outros países. Na verdade, a implementação desta figura é provavelmente o que mais contribuiu para o sucesso do CFDI, uma vez que a terceirização do processo de validação fiscal do comprovante foi um incentivo para o usuário assim como para o SAT, ao delegar a validação a um terceiro autorizado conseguindo assim agilizar o processo.
  • Em constante evolução: o CFDI é constantemente revisado e atualizado pelo SAT, com a intenção de resolver os problemas detectados através do seu uso. Para fazer isso, as modificações são introduzidas com datas de implementação para que as empresas realizem as adequações. As modificações mais importantes estabelecidas pelo governo mexicano em 2018 foram a implementação da versão 3.3 do CFDI, como a única versão válida para a emissão de faturas eletrônicas e a incorporação de novos complementos, como o complemento de pagamentos, o complemento de comércio exterior e o cancelamento de faturas.

O CFDI, exemplo na implementação e desenvolvimento de faturamento eletrônico na América Latina

O sistema de cobrança eletrônica no México é um exemplo de sucesso graças à sua divulgação, fazendo parte da cultura mexicana há muito tempo.

Nesse sentido, o México, juntamente com o Chile e o Brasil, são os países mais avançados da América Latina. Tanto que inspiram países que estão implementando seus projetos de fatura eletrônica. Deste ponto de vista, podemos mencionar quatro principais etapas de maturidade da fatura eletrônica:

  • Alta, onde a faturação eletrônica cobre praticamente 100% das transações, como ocorre no México, no Brasil e no Chile.
  • Média, países com processos de implementação progressiva, como Guatemala, Equador, Peru, Argentina e Uruguai.
  • Baixa, países que estão começando a desenvolver um modelo de fatura eletrônica e regulamentos legais a esse respeito. São Costa Rica, Colômbia, Panamá, Paraguai e Bolívia. Em alguns desses países, os anos de 2018 e 2019 serão os anos onde a obrigação será estendida a todos os setores e empresas.
  • Desconhecido ou em processo, em países onde há pouco interesse no faturamento eletrônico, como Honduras, Nicarágua ou Venezuela.

Embora a maioria desses países se baseie no CFDI do México, a contabilidade eletrônica de cada um deles será regida por regras e requisitos específicos estabelecidos pelos governos.

EDICOM, o primeiro fornecedor de CFDI no México

No México, a EDICOM foi o primeiro PAC autorizado pela SAT, em 2010, para a validação do CFDI, e em 2015, tornou-se o primeiro PCRDD.

A EDICOM possui sua própria plataforma para geração, envio e recebimento de CFDI, permitindo que as empresas simplifiquem seus processos através da integração aos seus sistemas de gerenciamento.

A EDICOM conta também com soluções de armazenamento dos arquivos do CFDI, o que facilita o gerenciamento das faturas eletrônicas sem precisar ter seus próprios recursos de tecnologia de armazenamento.

Assim, para aquelas empresas que possuem operação nos países da LATAM, a EDICOM oferece um processo de implementação de faturamento eletrônico através de uma única plataforma que lhes permita integrar a contabilidade eletrônica em seus  sistemas, adaptando-se, aos regulamentos definidos pelo governo de cada país.

Obtenha mais informações sobre o CFDI no grupo CFDI EDICOM.

Saiba mais sobre os possíveis benefícios para a sua empresa.

Entre em contato com um representante da EDICOM

Pode também estar interessado em ler sobre...

Faturamento eletrônico na Tanzânia

Informações importantes sobre o novo sistema de faturamento eletrônico VFD implementado pela TRA da Tanzânia.

Saiba como funciona a fatura eletrônica no Paraguai

Conheça o funcionamento do Sistema Integrado de Facturación Electrónica Nacional (SIFEN) do Paraguai.

A implementação do GOVEIN19 está sendo exitosa em toda a Europa

A EDICOM implementa com êxito o projeto GOVEIN19 para o desenvolvimento da faturação eletrônica em hospitais europeus.